quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Como o Ministro da Justiça ignorou o maior golpe da história


Pirâmides são golpes com prazos de validade.
Lança-se a pirâmide, os primeiros ganham. Depois, à medida que o golpe vai se expandindo vai se esgotando o mercado de incautos até a pirâmide explodir. Justamente por isso, a demora em atuar sobre o golpe favorece o golpista.
A TelexFree surgiu como um furacão, juntando grupos de estelionatários de todo o país. O sistema Procon alertou o Ministério da Justiça.
A primeira medida do Ministro José Eduardo Cardozo foi incompreensível: solicitou à Secretaria de Política Econômica do MInistério da Fazenda que opinasse se se tratava de uma pirâmide ou não. Foi uma típica manobra protelatória. O sistema Procon já tinha identificado o golpe da pirâmide. A troco de quê exigir um laudo da Fazenda?
O pedido ficou guardado na Fazenda por 90 dias sem que Cardozo exigisse urgência. Só depois dos blogs pressionarem é que a Fazenda se deu conta e expediu o laudo, confirmando o óbvio: era pirâmide.
Aguardava-se, então, uma pronta ação do MJ. Afinal, era um golpe que já atingira um milhão de pessoas, movimentando mais de R$ 1 bilhão.
Nenhuma medida foi tomada. E as alegações de Cardozo - tendo em vista sua formação jurídica - foram altamente suspeitas. Tentou enquadrar os crimes em estelionato. Com isso, a responsabilidade passaria a ser das justiças estaduais.
Aqui mesmo mostrei que havia uma infinidade de crimes federais: crime contra o sistema financeiro, lavagem de dinheiro, crime contra a poupança popular, crime contra o mercado de capitais.
Nada foi feito, não se sabe se devido à influência do advogado da TelexFree - filho de desembargador influente - ou outro argumento que tenha cativado Cardozo.
Quase dois anos depois, o Ministério Público Federal (comprovando que a quadrilha cometia crimes federais) tenta o bloqueio tardio dos bens dos chefes.
Os suspeitos estão sendo acusados dos seguintes crimes:
  • crime contra o sistema financeiro nacional (oferta pública de valores mobiliários sem registro junto à Comissão de Valores Mobiliários);
  • contra a economia popular (pirâmide financeira/ Ponzi);
  • evasão de divisas;
  • lavagem de dinheiro;
  • e sonegação fiscal.
Dois anos para atuar livremente, para dispor livremente dos bens, enquanto a justiça norte-americana agia para defender os brasileiros reisdentes nos EUA.
http://www.jornalggn.com.br/noticia/como-o-ministro-da-justica-ignorou-o-maior-golpe-da-historia

Nenhum comentário:

Postar um comentário