sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Alckmin dirá a verdade sobre a falta d’água quando tomar o líquido marrom que a Sabesp está servindo?

Postado em 07 nov 2014
Dilma Pena, presidente da Sabesp, e o chefe
Dilma Pena, presidente da Sabesp, e o chefe

Geraldo Alckmin deu uma entrevista a Míriam Leitão no Palácio dos Bandeirantes.
Nem sombra, como se esperava, da assertividade de Míriam diante de Dilma Rousseff. Ao falar da crise hídrica e da ajuda pedida ao governo federal, Alckmin fez um solo tranquilo, longo, sobre suas “boas parcerias”. Negou o racionamento, teceu loas ao “bônus” para quem faz economia. O abastecimento está uma maravilha.
Todo mês tem uma nova obra entregue. Há uma “independência” do Cantareira. Ele está “muito entusiasmado com a “água de reuso”. Vendeu seu peixe com sossego de pescador.
(A única cobrança dura da jornalista foi sua indignação diante do fato de Alckmin se referir a Dilma como “presidenta”, o que, na opinião de Míriam, demonstra que ele não fará uma oposição firme.)
Alckmin mente, escamoteia, sai de banda e não é de hoje. Passou o ano repetindo que não haveria falta de água, quando ela já era escassa na periferia. Hoje, a escassez é generalizada.
Sua atuação é completamente divorciada da realidade. Hoje, a presidente da Sabesp, Dilma Pena, afirmou ao Ministério Público do estado que “não tem como afirmar se as medidas serão suficientes para evitar problemas no abastecimento de água caso o regime de chuvas persista da maneira anômala atualmente vivida”.
Numa gravação que vazou, a mesma Dilma admitiu que a empresa não foi à mídia alertar os paulistas por causa de uma “ordem superior”. Superior de quem?
Alckmin é um fenômeno do que Marina Silva chamou de tergiversação. Lidera fazendo mágica e fingindo. Na California, que também enfrenta a pior estiagem de sua história, o governador Jerry Brown decretou estado de emergência e vem realizou uma campanha intensa de conscientização, recorrendo inclusive a artistas como Lady Gaga. Foi criado um site para a população se informar. Brown fez questão de mostrar que diminuiu o consumo na sede do governo e em sua casa.
Geraldo reage com factoides. Ele está num outro mundo. Ou não tem, realmente, a menor ideia do que acontece, o que é mais preocupante. Em agosto, numa coletiva, como não tinha respostas, Alckmin telefonou, na frente dos repórteres, para Dilma Pena.
Transcrevo trechos do relato publicado no R7:
O tucano falava sobre o financiamento da Jica (Japan International Cooperation Agency – Agência Japonesa de Cooperação Internacional) para detectar e combater vazamentos de água na rede de abastecimento do Estado. Questionado sobre o valor emprestado, admitiu que não tinha a informação, mas se comprometeu a conseguir. Pediu à assessora que ligasse para Dilma Pena, presidente da Sabesp.
— Alô. Oi, Dilma. Tudo bem? Dilma, o nosso financiamento da Jica, qual o valor? Não, lá não é dólar, é iene. É equivalente a US$ 600 milhões. É em torno de R$ 1,4 bilhão.
A primeira pergunta estava respondida. Mas o governador tinha outras.
— Jica é um organismo financeiro do governo do Japão. Escreve J-I-C-A. Japan… O que é I-C-A, você sabe? International Cooperation… ‘Ajusteichon’ [risos], ‘agueichon’ [risos]. E antes de encerrar o ‘telefoneichon’, esse dinheiro para que é?
Dilma Pena responde e Alckmin repassa para os repórteres.
— Redução de perdas, troca de ramal, troca de rede. Tudo o que for relacionado a impedir perda de água. Exclusivo para evitar perda de água.
Os jornalistas fazem mais perguntas enquanto ele ainda está ao telefone, querem saber em que pé estão os trabalhos. Mas a presidente da Sabesp não tem a informação de imediato. “Verifica e me liga”, diz o governador, que emenda mais uma questão: “Outra coisa, quanto a Sabesp perde de água?”.
— 20,35 [%], perda física na região metropolitana de São Paulo de água tratada. A França perde 29 [%]. Faz um resuminho aí para a gente. A média brasileira é 38 [%]. Ok, depois você me passa esses dados aí.
Satisfeito com o telefonema, ele continua a conversa com os repórteres sobre o financiamento. “Eles [Jica] vão dar o dinheiro e fazer a consultoria?”, questiona uma jornalista. “Não. Eles dão o dinheiro… Liga de novo para a Dilma, pergunta se tem algum apoio técnico”, pede o governador à assessora.
Enquanto a resposta não vem, com tranquilidade, ele explica sobre as perdas na rede de abastecimento.
— Se você pegar as perdas hoje, 90% é invisível, não é aquele cano que estourou. É tudo a 7 m de profundidade, ninguém vê. Isso é mundial.
Quando a assessora passa a informação, Alckmin conclui e se despede:
— Transferência de tecnologia e apoio técnico, nós vamos para lá, eles [japoneses] vêm para cá. Arigatou gozaimasu

Seria cômico, não fosse trágico. Há uma possibilidade de cura para sua negação patológica oportunista: talvez quando ele passar a beber a água de coloração marrom esbranquiçada, com gosto de barro, que está saindo das torneiras da Zona Sul, um fio de responsabilidade escape de sua boca.
(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).
Sobre o Autor
Diretor-adjunto do Diário do Centro do Mundo. Jornalista e músico. Foi fundador e diretor de redação da Revista Alfa; editor da Veja São Paulo; diretor de redação da Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas.

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/alckmin-dira-a-verdade-sobre-a-seca-quando-tomar-a-agua-marrom-que-a-sabesp-esta-servindo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário